domingo, 3 de agosto de 2014

Lareiras

Quem nunca sonhou em passar o inverno em um clima aconchegante em frente a uma lareira? Esta opção está se tornando cada vez mais presente tanto em projetos de decoração de residências quanto em apartamentos. Além de proporcionar um ar sofisticado para o ambiente, as lareiras podem ainda valorizar a decoração e o preço do imóvel, na opinião de arquitetos.
Atualmente, o consumidor pode encontrar modelos de lareiras convencionais (a lenha), elétricas (aquecedor) e a gás. Todas as opções são indicadas para salas ou dormitórios. Entretanto, os especialistas alertam que antes de realizar a instalação, o morador deve tomar alguns cuidados.
A primeira preocupação deve ser com a chaminé, que exige uma tubulação adequada para que a fumaça não invada o ambiente. Os brasileiros não possuem a cultura do frio e muitas das lareiras construídas acabam se tornando um adorno na residência. Por isso, a melhor opção é a lareira elétrica, que também oferece praticidade na hora da limpeza.
Atualmente, mesmo as residências que não possuem uma boa estrutura para a instalação de dutos para a exaustão da fumaça podem ser equipadas com uma lareira. Kits elétricos ou a gás são boas alternativas de aquecimento do ambiente escolhido. Sem precisar de chaminé, os modelos elétricos não possuem fogo e funcionam como aquecedores.
Para construir uma lareira, o morador poderá contratar um pedreiro ou comprar um modelo pré-fabricado. Nesse último caso, as lareiras são feitas em chapa de aço galvanizado ou em concreto refratário. A diferença está no preço e na montagem.
Os modelos de concreto custam menos e os de chapa de aço são mais leves e vêm com uma estrutura metálica pronta. As lareiras pré-fabricadas podem ser encontradas na versão tradicional, para ser revestida com alvenaria, e no modelo de uso aparente, no qual é necessário quebrar as paredes e furar o teto para a construção de um duto.
Para um acabamento mais clássico,e aconselhável a utilização do mármore Marrom Imperial , Verde Alpi e o Travertino Romano. O acabamento escolhido pelo morador é o que proporcionará estilo para o projeto.

 Modelos pré-fabricados são mais vendidos

De acordo com lojistas, os modelos pré-fabricados de lareiras são os mais comercializados devido à facilidade de montagem e colocação nos ambientes, já que muitos dispensam a construção de uma chaminé.
Em algumas lojas é possível encontrar vários tamanhos de lareiras pré-fabricadas, com preços que variam entre R$ 1.150 e R$ 1.820. Os modelos a gás variam de R$ 2,5 mil a R$ 3 mil. Nestes valores não estão inclusos os gastos com o acabamento, que variam em cada obra realizada.
Independentemente do preço, a lareira deve ter uma câmara de fogo – onde se coloca a lenha – com plaquetas refratárias e fundo levemente inclinado para frente, o que garantirá que o calor fique no ambiente por mais tempo e não escape pela chaminé.
A lareira a lenha constitui um sonho de consumo para muitas pessoas. Entretanto, o ideal é que o projeto esteja previsto antes da construção do imóvel.

O conforto térmico em nossos lares é de suma importância para nosso bem estar. Para isso, a climatização do espaço deve ser pensada desde o início de seu planejamento.
A qualidade na construção é o primeiro passo para se ter uma casa confortável, do ponto de vista térmico. A inclusão de sistemas de climatização passivos no desenho da habitação, a consideração do espaço envolvente, e a escolha da melhor orientação solar, são fundamentais para se ter um espaço mais confortável, e reduzir a necessidade de utilização de aparelhos de aquecimento e arrefecimento, reduzindo o consumo de energia e, consequentemente, o de recursos ambientais.
Assim, a utilização de aparelhos ou sistemas de aquecimento deve ser considerada somente quando não se consegue atuar em termos do edifício. Nestes casos, sempre que possível, deve-se optar pela utilização de sistemas de energias renováveis que já atuem na climatização da habitação.

  HISTÓRICO

O fogo é um bem e um mal da natureza, no entanto não é encontrado de forma natural como a água ou o solo. É preciso ter domínio sobre certas técnicas de produção bem como sua conservação. Essas técnicas levaram milênios para serem conquistadas e aprofundadas.
Os vestígios mais antigos do fogo foram encontrados no continente africano e datam de mais de um milhão de anos. No entanto, são se sabe se seu surgimento foi ocasional ou proposital. A prova mais concreta de domínio do fogo data de 460 mil anos, segundo testemunhos registrados em uma gruta no Norte da China.
A técnica de domínio e emprego do fogo constituiu um dos maiores êxitos humanos e representou um salto gigantesco no desenvolvimento das forças produtivas. Traduziu-se numa primeira grande vitória do homem sobre os elementos da Natureza e um enorme passo em frente no aperfeiçoamento dos utensílios e instrumentos de trabalho e em toda a atividade produtiva.
Aproveitando a madeira como combustível, utiliza-lo para os mais diversos fins. Como fonte de calor, o domínio do fogo completou a vida nos abrigos durante os períodos frios. A sua utilidade, neste aspecto, depende do clima das regiões. As entradas das grutas e os acampamentos ao ar livre ficaram protegidos contra o meio ambiente e os predadores.
Só com o domínio do fogo foi possível o homem suportar as temperaturas das áreas mais próximas dos pólos. A utilização do fogo exerceu grande influência no modo de vida dos habitantes. Os alimentos passaram a ser cozidos, seus abrigos aquecidos e até mesmo seus armamentos começam a ser melhores produzidos.
Como fonte de calor e de luz, o fogo pode ter constituído um centro de reunião, possibilitando o prolongamento das atividades diárias.
Objeto de mistério, de temor e de veneração, o fogo foi também origem de mitos primitivos, de motivos religiosos, de prática de magia.

Photo Credit: Rui Ornelas

  Lareiras

Características Gerais
O funcionamento de uma lareira está associado a um conjunto de técnicas e cuidados com sua utilização e manutenção. Uma lareira ideal garante que a fumaça não invada o ambiente onde está implantada e nem permita perdas de calor, o que requer um bom projeto e dimensionamento adequado.
O aquecimento deve ser compatível com área do ambiente e com o número de pessoas que o frequentam  Mas a temperatura final é determinada, na realidade, pela quantidade de lenha queimada.
A estrutura de uma lareira é composta basicamente por três partes:
Caixa / Câmara de Fogo: é a chamada boca (abertura da lareira para o ambiente), cujas dimensões serão determinadas pelo local onde será implantada. O fundo desta câmara é constituído por uma parede inclinada. Sua finalidade é empurrar as ondas de calor rumo ao piso do ambiente. Dessa foram, o ar quente – que é mais leve e tende a subir – faz aumentar a temperatura do lugar. É indispensável o uso de massa ou cimento refratário na hora do rejunte, devido à alta temperatura.
Coifa e Duto: está situada logo acima da caixa de fogo. Seu formato semelhante a um funil de ponta-cabeça detém o ar frio que tende a vir pelo ambiente externo, ao mesmo tempo em que captura a fumaça que será expelida para fora. Nessa etapa, é fundamental a garganta, uma abertura, regulável, cuja medida deve ser exatamente igual à área seccional do duto.
Segundo especialistas, o duto do em metal é mais apropriado que o em alvenaria. Por ser liso, o material não retém sujeira nem possui cantos vivos, o que facilita a saída da fumaça, enquanto a chaminé de alvenaria pode manter o excesso de fuligem - já que a determinada altura nem sempre dá para fazer um acabamento primoroso na parte interna.
A tubulação deve ter o mesmo diâmetro, da lareira até o telhado e em direção sempre reta. Se for necessário fazer um desvio, primeiro o duto precisa subir cerca de 1 m, para depois fazer a curva de 45 graus. Ainda assim são autorizados apenas dois desvios de rota na tubulação. Em uma casa térrea, a altura da chaminé deve ficar pelo menos 40 cm acima da cumeeira (ponto mais alto do telhado) ou ser mais alta quando houver interferência nas proximidades, como outras casas e árvores.
A seção da chaminé que melhor permite a exaustão de fumaça é a circular. Devido a dificuldade de sua execução poderá ser usada a forma quadrada. É totalmente desaconselhável o uso de seção retangular (ou outras formas geométricas).

LAREIRA CONVENCIONAL - FABRICADA NO LOCAL
Hoje em dia já não é uma boa opção diante de tantas outras presentes no mercado. Se não for feita por mão-de-obra especializada pode não apresentar um bom funcionamento. Não apresenta porta, portanto a segurança fica comprometida. Como não possui nenhum tipo de controle automático de acendimento e desligamento da chama (tal como acontece em lareiras a gás ou elétricas), não se pode deixar a chama acesa sem supervisão de alguém devido ao perigo de incêndio.
Se não tiver qualquer entrada de ar exterior, consume o ar existente no compartimento fazendo o mesmo ser substituído por ar vindo do exterior por baixo das portas, provocando deste modo correntes de ar frio dentro da habitação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário