sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Móveis feitos com pallets

Os pallets são estrados de madeira, metal ou plástico usados no transporte e armazenamento de cargas, muito usados por supermercados, armazéns, transportadoras, e atualmente vêm sendo aproveitado para a criação de móveis. Além de serem considerados ecológicos por serem feitos com matéria-prima reaproveitada, os móveis de pallet geram efeito descolado e descontraído a qualquer ambiente.


Existem pallets de diversos tamanhos, o que aumenta as possibilidades na hora de inventar os móveis, e eles são muito resistentes, permitindo sua utilização como peças mais estruturais, como a base de uma cama ou sofá, por exemplo.


Podem ser usados também como mesa, e nesse caso é interessante colocar um tampo de vidro para apoiar pequenos objetos. Outra opção é colocar o pallet na parede, como um painel ou até como uma pequena estante, uma adega ou um cabideiro, por exemplo.



Se existir algum lugar para pendurá-lo, o pallet se transforma até em balanço, bastando colocar cordas e algumas almofadas.


Para o acabamento, é interessante lixar e depois aplicar um verniz ou tinta, para tirar o aspecto industrial e também proteger o móvel, ou então pode-se adquirir em lojas o pallet pronto.

Photo Credits: Pinterest

Novos pontos de luz sem quebradeira

Muitas vezes queremos melhor a iluminação dos ambientes, acrescentando novos pontos de luz, mas não queremos ou não podemos quebrar as paredes e o forro para passar os fios e a tubulação que normalmente é necessária.


Para essas situações, é possível utilizar luminárias de piso ou abajures, que podem ser ligados à tomada. Porém em ambientes como cozinhas e banheiros, por exemplo, onde essas peças não ficam bem ou não tem onde ser colocadas, existem também outros recursos, como a fita de led ou a luminária adesiva de led.


A fita de led é um tubo flexível cheio de pequenas lâmpadas, que parece e é também chamado de mangueira de led. A fita é ligada na tomada comum, e pode ficar embutida nos armários ou no forro, criando uma iluminação espalhada e homogênea. Existem inclusive modelos de fita que são adesivas, têm regulagem de intensidade ou que acionamento por controle remoto.



Já a luminária adesiva de led tem funcionamento mais independente, com pilhas do tipo AAA embutidas, e é acionada quando se toca na peça. Então não precisa de fios e nem de interruptor, funcionando como se fosse uma lanterna. É ideal para ser colocada sob os armários suspensos da cozinha, por exemplo, pois pode ficar aparente e tem iluminação mais focada.


Por serem de led, estas alternativas consomem muito menos energia do que as incandescentes, com uma economia que pode chegar a até 75%, e ainda dispensam a quebradeira.

Photo Credits: Pinterest

Sensação Causada pelos materiais na decoração

A sensação causada pelos materiais é um dos fatores de maior impacto no que chamo de “psicologia dos ambientes”. Junto com a escolha das cores e com os efeitos espaciais e de iluminação, a seleção de materiais deve então ser feita com critério, de acordo com o resultado pretendido.

Os efeitos podem ser misturados, buscando a proporção que mais agrade e que seja também mas eficiente para cada espaço. Para fazer essa seleção, é preciso conhecer as sensações geradas por cada material:


A madeira é conhecida por agregar conforto aos ambientes. Isso acontece porque ela é um material com ótimas características térmicas, ou seja, tem temperatura sempre agradável ao toque, refletindo ou absorvendo o calor na medida ideal. Além disso, a madeira proporciona sensação aconchegante pelo seu visual rústico e porque ajuda a absorver os sons, melhorando a acústica dos espaços.




As pedras podem ter efeitos diversos, de acordo com o tipo de acabamento, mas em geral são frias e rústicas. Elas podem então ser uma boa opção em locais muito quentes ou quando se quer uma ambientação mais natural. Porém é interessante misturá-la a outros elementos mais aconchegantes, especialmente em ambientes de maior permanência, como quartos e salas.

Os tecidos, por sua textura agradável, proporcionam sensação acolhedora e confortável, especialmente quando usados em objetos macios como estofados ou almofadas. Podem ser usados também como revestimento de paredes, nos tapetes e nas cortinas, optando-se por tecidos menos absorventes ou então pela sua não utilização em locais com fumaça ou com muita umidade.
O fato de serem absorventes pode ser útil, no entanto, em locais onde a acústica seja importante, como salas de TV.


Os metais, como ferro, aço ou alumínio, são materiais que conferem um impacto mais industrial e high Tech aos ambientes, pois são em geral frios e de aparência oposta aos materiais naturais. Podem ser uma boa opção, portanto, para balancear a ambientação que tenha muitos materiais de aspecto rústico, ou então para complementar e combinar com uma decoração mais moderna.

Os materiais que imitam outros materiais, como a madeira plástica ou os papéis de parede com aspecto metálico, por exemplo, costumam apresentar os mesmos efeitos visuais dos originais, porém com sensações diferentes em termos de temperatura e toque. Isso pode ser bom ou ruim, dependendo de cada caso. O importante, sempre, é analisar todas as características de cada material, tanto em termos funcionais quanto psicológicos, para fazer escolhas conscientes, que se encaixem com os efeitos desejados.

Photo Credits: Pinterest

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Plantas em varandas de apartamentos

Colocar plantas em varandas é a forma mais próxima que se pode chegar de um jardim dentro dos apartamentos. Elas podem ser colocadas em vasos no chão, na parede, suspensas no teto ou debruçadas no guarda-corpo (trepadeiras). Para receber gramado, o piso tem que ser tratado, para ficar totalmente impermeabilizado.

Para criar uma maior sensação de jardim, o piso pode ser de pedra ou madeira, ou então ser coberto com pedriscos, intercalados ou não com a madeira, que pode vir em placas avulsas.


Em relação à escolha das plantas, é preciso analisar fatores como o tamanho da varanda e também o quanto ela recebe de vento e de luz do sol.

O tamanho e o uso que se quer dar para a varanda determina o tamanho das plantas a serem colocadas, sendo que para sentar na varanda é preciso deixar o espaço da cadeira e mais o acesso a ela livres. Ou então, caso a intenção seja transformar o espaço em uma espécie de jardineira de grande porte, podem ser utilizados vasos maiores, com plantas mais altas, para realmente chamar a atenção de dentro do do apartamento. É importante não deixar a varanda cheia demais, para não sobrecarregar visualmente e também permitindo o acesso a cada planta para conseguir regá-las com facilidade.

O vento e a luz que incidem na varanda interferem no tipo de planta escolhida, já que algumas preferem sombra, outras precisam e resistem melhor ao sol, e algumas são mais resistentes ao impacto do vento do que outras.


Em varandas com muito sol, algumas opções são flores como gerânios, tulipas, rosas ou petúnias, ou então palmeira fênix, moréia bicolor, pleomele e jabuticabeiras. No geral estas são plantas ideais também para receber vento, exceto pelas flores, que são mais delicadas.

Varandas à meia-sombra podem ser bons locais para lança-de-são-jorge, pândano espiral, pata-de-elefante, pau-d’água, asplênio e palmeira-ráfis ou, caso se queira uma varanda mais florida, hortênsias, sinos, fúcsias e louros.


Já para varandas com sombra constante, algumas espécies indicadas são a palmeira-ráfis e a bromélia de sombra, ou flores como bromélias, balsaminas e camélias.

Em qualquer situação, é importante verificar a quantidade de rega necessária para cada planta, optando pelas que menos necessitam de água caso se queira ter plantas com menor necessidade de manutenção.

Photo Credits: Pinterest

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Lareiras Ecológicas

As lareiras ecológicas são também conhecidas como lareiras de etanol, pois funcionam à base de álcool. Essa característica é a que lhe confere perfil ecológico, pois não precisam de lenha para queimar e também não liberam CO2, que é o resultado da queima.


E como não existe nenhuma fumaça, não existe a necessidade de chaminés. Esse aspecto tem muito impacto na arquitetura de interiores, pois permite que a lareira seja utilizada em qualquer local sem dificuldades, além de poder ser deslocada a qualquer momento.


Além da lareira portátil, no entanto, existe a opção de deixar a lareira ecológica fixa, embutida no mobiliário. Para isso, basta adquirir o queimador à parte, e colocá-lo dentro do móvel de acordo com as normas de segurança. É preciso também tomar cuidado para evitar o contato do fogo com materiais inflamáveis, como tecido ou madeira, além de deixá-lo protegido com vidro em locais com crianças ou animais que possam tentar encostar na chama.





A lareira à álcool é mais ecológica do que a lareira elétrica, que também é outra alternativa que dispensa chaminés, pois não consome energia. Outra vantagem é a presença do fogo em si, que gera uma sensação mais agradável e natural.

A lareira ecológica pode ser usada em ambientes internos e também em varandas, e a eficiência do aquecimento varia de acordo com o modelo, que pode ser maior ou menor. O design também é variado, com peças mais clean e outras mais rústicas, e alguns modelos possuem até controle remoto.


Photo Credits: Pinterest